Pesquisar no blog do raposão

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Reflexão...

 Afinal, quem sou eu?

Essa foi a grande pergunta que permeou meus pensamentos, sentimentos e anseios nos últimos meses.
Mas ultimamente, a resposta tem vindo às minhas mãos de forma natural.

Já me julgaram por falta de caráter... Mas quando fui analisar por quê estavam me chamando de mau caráter, descobri que quem estava julgando simplesmente não tinha caráter para julgar.

Esta mesma pessoa confunde falta de dinheiro com caráter. Infelizmente, sofro de falta de dinheiro, pois pessoas sem caráter trabalham comigo, são meus clientes, usuários e etc., que infelizmente, agem de forma manipuladora e desonesta para comigo e/ou para com a minha empresa.

Ter caráter é saber reconhecer quando se erra, quando se deve, quando é hora de pedir desculpas, e quando é hora de ser duro.
Ter caráter é nunca se desviar dos seus próprios princípios, nunca se deixar levar por emoções passageiras, ter objetivos bons, procurar praticar o bem, sem ter que prejudicar ninguém.
Ter caráter, é saber quando recuar, quando gritar por justiça e quando lutar, se necessário for.
Ter caráter é nunca precisar jogar com a mentira, e sempre que possível usar a verdade, mesmo que isso possa magoar alguém.
Ter caráter é nunca precisar manipular alguém para conseguir seus objetivos.
E para ter caráter, é preciso ter personalidade.

E ter personalidade, é não se deixar levar pelo grupo, pela família e até mesmo por maus pensamentos.
É não tentar agradar a todos, pois esse é o caminho para o fracasso.
É ser invícto em seus objetivos, mesmo que eles sejam estranhos, diferentes ou mesmo quase impossíveis.
Ter personalidade, é não aceitar a injustiça de outros, mesmo que estes outros sejam aqueles que amamos.

Para ter personalidade, é preciso ter princípios definidos.

Eu tenho alguns que são os principais:

Nunca deixar de acreditar no poder infinito do amor.
Sempre perdoar aqueles que amamos.
Jamais desistir de quem se ama.
Nunca aceitar uma derrota sem lutar até o fim!

E foi assim, analisando a mim mesmo, que descobri quem eu sou.
Sou um homem íntegro, sincero, fiel aos meus princípios, de personalidade forte, que tem uma palavra forte, pois sempre procuro cumprir o que prometo. Mesmo que eu não consiga (por algum motivo alheio à minha vontade), pelo menos eu sempre tento até o último segundo.
Sou um homem de inteligência imponente, mas que se torna volátil ao primeiro sinal de injustiça, seja contra mim mesmo, seja contra uma criança, seja contra um idoso, um animal ou mesmo, um criminoso...
Injustiça me tira do sério!

Nos últimos 11 anos, passei por muita coisa, suportei coisas que ninguém mais suportaria, aguentei humilhações, escárnios e desilusões que fariam muitas pessoas pedirem pela morte.
Mas em momento algum deixei meu caráter, minha personalidade e meus princípios se perderem.
Em momento algum esqueci o que prometi e o que devia.
O que eu devo, pagarei assim que eu tiver. E o que eu prometi, tentei, tento e tentarei cumprir até o último segundo.
Em momento algum me deixei levar por paixões passageiras, por aventuras...

Se fui "santo", não.. Não fui santo, sei que errei, sei que cometi erros graves.
Mas peço perdão e me arrependo deles, todos os dias.

Mas tenho plena convicção que em momento algum eu fui injusto. Tenho certeza absoluta que fui forte, que fui convicto ao que eu acreditava ser o certo. E mesmo quando eu fraquejava, sempre voltava pra casa.

Se ser sincero a esse ponto não é ter caráter, não sei mais o que é!

Se desisti, não! Não desisto nunca daquilo que considero certo!
Mas a maldade é grande, e já não tenho mais forças para lutar.
Se o mal venceu? Não, o mal se auto-destrói, é só uma questão de tempo.
Até lá, já estarei com minhas forças recuperadas.

E o amor? O amor, como eu disse anteriormente, é a força mais poderosa do universo. É o que nos define como humanos, e é pelo amor e por força do amor, que vale à pena salvar a humanidade.

Algumas pessoas deixam tudo isso de lado, essas infelizmente, ficarão pra trás, presas em seu mundinho.

É isso... Peço desculpas aos leitores do blog por esse desabafo... Mas em alguns momentos, o blog é a única voz que tenho.

Abraços a todos.